sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Halloween


Cresci numa cidadezinha do interior e quando eu tinha aproximadamente 11 anos, meus irmãos, os amigos da rua em que morávamos e eu resolvemos colocar em prática o famoso "doçuras ou travessuras".
Foi uma farra boa imaginar o roteiro, as fantasias que utilizaríamos, quem iria acompanhar quem, que maquiagem utilizar... e por volta das 7 da noite do dia 31 de outubro daquele ano resolvemos sair pelas ruas tocando campanhias e pedindo doces!
É óbvio que isso não era uma tradição brasileira, muito menos em uma cidade do interior de Goiás. Resultado: na primeira casa em que tocamos ninguém atendeu. Na segunda, pediram pra voltar mais tarde. Na terceira, um senhor abriu a porta com um crucifixo dizendo que éramos coisa do demo. Foi sorte alguém comprar alguns doces para emergência e terminamos a noite em casa, brincando e comendo doces no quintal!

7 comentários:

Paula Menna Barreto Hall disse...

kkkkkk, to imaginando a cena do senhor com a cruz na mão, essa é boa!!! Do lado de cá ainda tenho de correr ao mercado porque na nossa porta vai ter molecada batendo com certeza!!! beijão

Bróder disse...

A gente comeu os docinhos, em meio a uma grande indignação por não termos tido êxito na empreitada proposta e super bem preparada, em frente da casa de Neim, Creitim, Dezim e Eriquinha...huauaauhauhauhaua

Moska disse...

Cresci no Rio. Desisti dessa brincadeira depois da terceira ameaça com uma pistola.

Bel Lucyk disse...

- Paula, como foi o halloween daí? Eu fiquei em casa fugindo dos filmes de terror que passavam na tv. kkkk
- Dani broder... neim, creitim, dezim e eriquinha... é o novoooooo
- Moska, tenho certeza que o crucifíxo foi menos perturbador do que a pistola! Obrigada pela visita!

Madame Mim disse...

Desde nova curto as festas à fantasia no Dia das Bruxas.
Fui numa semana passada.
bjos

Felipe Campbell disse...

O Rafael até hoje naõ tirou a fantasia de bruxo.

Bel Lucyk disse...

Bóris! Ele não estava de fantasia... eheheheh