terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Lenda de Bar


Dizem que num sábado a noite, um homem adentrou um bar lotado, esperou pacientemente por uma mesa e com o olhar perdido, pediu ao garçom duas cachaças. Aproveitou a passagem de um vendedor de amendoim, comprou um pacote e pediu uma cerveja Original. Resolveu tomar mais cachaças, mais cervejas... e assim foi afogando suas mágoas.
Depois de algumas horas, aquele homem que chamava a atenção porque estava bebendo sem parar e estava vestido com um lindo terno feito sob medida, já estava completamente embriagado. Seu telefone celular tocava sem parar em cima da mesa e já começava a incomodar as pessoas nas mesas vizinhas. Ele não atendia, mas também não colocava no silencioso. Às vezes pegava o telefone e ficava olhando para o número que piscava incessantemente na tela de seu blackberry. Outras vezes, simplesmente virava de costas para o celular, como se aquele movimento fosse o suficiente para que ele sumisse.
De repente, um homem engravatado chegou ao bar, foi em direção ao outro, segurou o indivíduo pelo colarinho e enquanto o levantava, dizia: "- Eu sabia que te encontraria aqui! Você vai comigo agora!". O homem, tropeçando nas palavras gritou: "- Eu não vou! ".
"- Você vai! Vira homem! Vai deixar a noiva na porta do altar? Na frente de todos os convidados? Você vai casar sim!"
O movimento do bar parou. As conversas nas mesas ao lado, as paqueras, as confidências, as discussoes entre os casais, os pedidos ao garçom... tudo. Toda a atenção estava naquela cena grotesca. Todos se perguntavam porque o cara tinha desistido de casar. O noivo tentou dar um murro no outro. Mas a bebida já tinha afetado seus movimentos e, além de errar, caiu novamente sentado na cadeira, enquanto repetia para si mesmo: " - Eu não vou casar. Não vou casar."
O engravatado insistia que ele deveria ir. Ameaçava bater, tentava levanta-lo, mas ele sempre caia novamente. Àquela altura, era impossível que o noivo se casasse, mesmo que fosse convencido, porque não conseguia ficar em pé.
Eis que o engravatado recebe um telefonema. Atende e diz nervosamente onde encontrou o fugitivo e que está resolvendo a situação. O noivo pede leite ao garçom. Não consegue mais beber. Quer dormir na mesa.
De repente, entra no bar, aos prantos e gritando, a noiva, com um vestido lindo, a maquiagem borrada de tanto choro, carregando seu buquê: "- Porque você está fazendo isso comigo? A gente sonha com esse dia há anos!"
O Circo está armado: o bêbado só consegue soltar um affff e encosta a cabeça de novo na mesa. A noiva grita, chora e esperneia. O engravatado tenta consolá-la. O bêbado dorme. O engravatado resolve acertar aquela situação no braço. A confusão começa. O bêbado bate. O bêbado apanha. As pessoas no bar resolvem ajudar a resolver a situação, separando aquela briga sem pé nem cabeça...
Quando todos do bar estavam vivendo aquele momento, ajudando a separar os dois, consolando a noiva que chorava sem parar, segurando o bêbado trôpego, entra uma quarta pessoa e diz:
"- Cortaaaaaaa! Parabéns, rapazes, vocês foram ótimos! Agradeço a todos a participação no espetáculo de hoje."
Foi nesse momento que a confusão realmente começou. A trupe de atores saiu do bar linchada depois de muito apanhar. Não se brinca assim com os sentimentos das pessoas.


4 comentários:

Madame Mim disse...

Não mesmo, eheh.
Já tava com dó da noiva...e do noivo tbém.
Ficou muito bem escrito!
bjos

Bel Lucyk disse...

Cris, um amigo meu me contou essa história e eu fiz algumas modificações. Na história real, ninguem apanhou! kkkkk
Obrigada! beijos

Marcelo Faccenda disse...

Kkkkkkk.. Rolou no Monte Sion, eu tava lá nesse dia...
:o)

Jow disse...

eu achei bem légal! Adorei o noivo dormindo na mesa! eheheh
bjos