sexta-feira, 13 de março de 2009

Sexta Musical

Geralmente não tenho problemas para dormir, mas ontem a agitação estava tomando conta da minha cabeça e meus pensamentos estavam a mil por hora. Como solução sempre eficaz, coloquei meu ipod para funcionar e quando dei por mim, estava viajando nas lembranças que as músicas estavam me trazendo. O sono não veio, mas a viagem no tempo foi divertida! Selecionei aqui algumas:
1. Quando éramos crianças, sempre passávamos as festividades de final de ano na casa do meu avô, que sempre gostou de ouvir música, cantar e dançar. Lembro-me como se fosse hoje de estar sentadinha no sofá, olhando fascinada para ele enquanto cantava e dançava "O Rei do Gatilho" de Moreira da Silva. Um dia desses, resgatei essa música e gravei um cd para ele, que ficou feliz da vida!
2. Ainda nos tempos de criança, sempre íamos para a fazenda dos meus avós, num fusca que minha mãe tinha, que foi carinhosamente apelidado de Jatinho Amarelo. Era muito divertido passar 30 minutos numa estrada de terra cantando músicas como "Flor do Cerrado" de Caetano Veloso (essa versão é com a Gal) ou Alecrim. Claro, sempre que encontrávamos uma flor do cerrado perto da estrada, parávamos o jatinho amarelo e fazíamos a festa. Nesses casos, a ida para fazenda era mais demorada porque sempre tinha uma briga para saber quem iria ficar com a flor daquela vez. Mas a gente realmente não ligava! A diversão era garantida!
3. Na época de terceiro ano, as músicas que mais tocavam no meu walkman eram da trilha sonora do filme Tempo de Violência. Nessa época, eu ia para o colégio num ônibus escolar e os meus cochilos eram sempre acompanhados pela trilha do filme do Tarantino. Perdi esse cd há algum tempo e fiquei feliz de ouvi-lo no carro de um amigo, quando voltava de Jeri, enquanto apreciava a paisagem...
4. Mais uma vez, na fazenda... fomos passar um feriadão, nem me lembro mais qual era. Foi a família toda e alguns amigos. Gravei uma fita cassete e passei os dias, enquanto fazia caminhadas pelas estradinhas bucólicas com todo mundo, ouvindo as músicas de um cd chamado Rei , que foi gravado por vários artistas renomados nacionais, cantando músicas de Roberto Carlos. Imagina minha felicidade quando, no caminho, dessa vez, de ida para Jeri neste carnaval, descobri que um amigo estava levando este cd como trilha sonora! Foi uma viagem no tempo deliciosa!
5. Quando ainda morava em Brasília e vinha para Fortaleza apenas visitar meu pai, sempre acordava ao som de Xangai cantando Nóis é Jeca mas é Jóia. Era esse o toque de acordar para ir para a praia. O único inconveniente é que a música começava às 7 da manhã e às vezes alguns reclamavam. Mas essa música me traz ótimas lembranças.
6. Lembro-me bem de quando uma amiga minha resolveu sair de casa, ainda nos tempos de faculdade. O clima por lá não estava nada bom e eu, como boa amiga, fui ajudá-la em todo o processo de mudança. Até hoje, quando ouço Natasha, do Capital Inicial me lembro da cena - nós duas saindo da garagem da casa da mãe dela, com o carro cheio de coisas até a tampa, ao som de Dinho Ouro Preto.
7. Na trilha sonora da minha vida não poderia faltar a música baiana. Sim, eu confesso. Sempre gostei de correr atrás do trio elétrico. Num dos primeiros fortais que vim, o Bell estava lançando a música Amor Perfeito no ritmo de axé. Lembro de estar começando um relacionamento que durou aproximadamente 5 anos e que teve seu pontapé inicial naquele fortal. Até hoje, quando ouço essa música, me lembro do meu ex. Tivemos várias músicas nesse período, mas outra que também marcou foi a que tocava na minha cabeça na época do término: também de axé, era Faz Tempo, da Ivete.
8. Numa época de balada frenética em Brasília, a música que não saia da cabeça era Shine Disco Ball, de uma banda chamada Who Da Funk. É só ouvir essa e Satisfaction, de Beni Benassi, que muita coisa boa me vem à cabeça. Na época, eu brincava que essa era a música que ia tocar no meu casamento, na entrada da Igreja. Ops, boate!
9. Ano passado, quando me mudei para Fortaleza, as músicas que mais me acompanharam foram Tive Razão, de Seu Jorge, e Put your hands on me baby, de Joss Stone. Ouvi outros milhões de músicas no último ano, mas essas marcaram e eu nem sei ao certo dizer porque. Mas quando as ouço, lembro de todo o meu processo de adaptação nessa nova cidade.
10. Não sei quando meu caso de amor com Bilhetinho Azul começou. Ela me traz várias boas lembranças, seja dos shows do meu cunhado, quando eu ainda morava em Brasília, que na verdade, ele nunca tocava, mas eu sempre pedia; de quando meu primo veio para Fortaleza me visitar e fomos para o Beach Park e quando eu pedi, a banda tocou a música e ainda a dedicou pra mim; ou pelo Rafa, um dos meus amigos mais queridos, que aprendeu a tocar a música e sempre que tem alguma reunião da turma, ele leva a viola e entoa esse som do Cazuza.
11. Pra terminar com chave de ouro, não posso deixar de citar a época em que eu ia pra casa de uma grande amiga de infância e a gente ficava ouvindo a tarde inteira músicas como Chuva de Prata, de Gal Costa e Fascinação, de Elis, cantando como se fosse num show de calouros. Era ótimo!
Existem outras várias músicas que me trazem recordações importantes, mas escolhi essas em especial para escrever. Ainda não sei ao certo dizer quais músicas vão me marcar em 2009, mas até agora tenho algumas boas apostas: Zé do Caroço de seu Jorge; I'm Yours, de Johm Mraz e Injuriado, de Chico Buarque. Tem também uma que eu baixei e tenho ouvido direto, mas não espalha: Medo de Amar (Forró do Muido) - tô virando cearense... IEEEEEI.

5 comentários:

Bróder disse...

Boas lembranças, saudades da época da fazenda. Lembrei de outras músicas que também fizeram parte de nossa história:

Essas são a cara do vô, quando íamos de caminhonete pra fazenda: "Eu nasci pelado e só, como todo mundo, hj eu uso palitó, como todo mundo...", "Cocococococoró, cocococococoró, e o galo tem saudades da galinha carijó..."

Músicas como "Riacho do Navio" com Nazaré Pereira, músicas de Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, Nelson Rodrigues (O Rafa cantando "Boemia" era o melhor! hehehe ), Nat King Cole ("...Quiças, quiças, quiças...", "Besame, besame mucho", que aliás é a sua cara) também nos fazem lembrar de nossos finais de semana na fazenda.:)

E a gente cantando "Fascinação" com mamys e Elis? hehehhee

Papai nos acordando nos domingos com: "Que me importa, que me importa, o seu preconceito, o que me importa..." Affffffffffff

Lembra de quando o Rafa ganhou o disco (é o novo!) do Michael Jackson, a gente passava o dia escutando Thriller e Beat It?

Bom, é muita coisa, acho que contribui mais um pouquinho pra as nossas lembranças :)

Adorei.
Beijo

Bel Lucyk disse...

Dani Broder!
Eu tinha até lembrado da história do Thriller, até porque baixei essa música há pouco tempo para o ipode! rs rs
Nazaré Pereira realmente é a cara da fazenda, assim como todas essas outras. Saudade boa, né?
Tinha esquecido do meu caso de amor com Besame Mucho! É o novo! Como diria o Reinaldo: Recordar é viver! kkkkkk beijos e saudades

Madame Mim disse...

Vc falou tanto desse Bilhetinho Azul que lá fui eu ouvir.
Amo o Cazuza.
beijos

Anônimo disse...

e toda vez que viajava pela estrada de ouro fino e e longe avistava a figura de um menino????
Não preciso nem assinar, né?
bjo gatia

Bel Lucyk disse...

- Cris, a música não é legal? Amo demais! =)
- Jooooow, como é que eu me esqueci dessa canção? uiiiiii