terça-feira, 17 de março de 2009

Um pouquinho de sorte

Abriu a janela ao acordar e viu que o tempo estava fechado. Tomou seu café correndo e foi até a garagem. Lembrou que na sexta,quando viajou, havia deixado seu carro na reserva por falta de tempo. Eram 7:30 da manhã quando saiu de casa, debaixo de um temporal, fazendo figa para o carro não ficar sem combustível e foi em direção ao congestionamento que a levaria até o posto.
O trânsito de Fortaleza estava caótico. As ruas alagadas. Os carros parados. As pessoas buzinando. E ela concentrada no visor do combustível. A luz ainda piscava, mas ela sabia que a qualquer momento iria ficar na mão. Decidiu pegar uma rua secundária, crente que estava fazendo um bom negócio. Ao final dela, sua única saída foi ingressar em um outro engarrafamento.
Ao avistar o posto, sentiu um alívio que foi rapidamente substituído pelo desespero do pequeno rio de enxurrada que teria que atravessar para entrar no posto. Prendeu a respiração, como se isso foi ajudar em alguma coisa, acelerou e atravessou o obstáculo. O carro começou a engasgar já na frente da bomba, quando o visor mostrava que não havia mais um pingo de gasolina no carro.

3 comentários:

Paula Menna Barreto Hall disse...

Eita sufoco!!!! kkkkkkk, já passei uns apertos assim. bjs

Madame Mim disse...

Ah, guria, uma vez eu qse queimei um negocio do carro pq tava sem gasolina, embora o marcador não mostrasse.Daí fiquei forçando pra ligar, qse derreteu alguma coisa que não lembro o que era. :)

Bel Lucyk disse...

- Paula, uma vez eu fiquei sem combustível no meio da rua!
- Cris, ouvi dizer que é perigoso mesmo. Juro que não tenho deixado mais o carro ficar taaaao na reserva, mas eu tenho preguiça de ir ao posto... sabe como é, né? rs rs