quarta-feira, 29 de abril de 2009

A encomenda


Maria começou a trabalhar recentemente na casa de Valéria, que se ausentou do trabalho por conta de uma cirurgia e ficou 15 dias em casa, supervisionando de perto o trabalho de sua nova funcionária.
Já no primeiro dia, tentando ser a mais solícita possível, Maria recebeu o funcionário da companhia de água como se fosse visita e, enquanto ele verificava o medidor, ela trouxe café e uns biscoitinhos. Valéria chamou sua atenção e mostrou no dia seguinte uma reportagem sobre roubos na periferia da cidade, em que ladrões disfarçados de carteiros entravam na casa depois de autorizados para entregar alguma encomenda. Instruiu a doméstica a não deixar ninguém entrar em casa sem autorização prévia dela ou do marido. E que no próximo mês, quando o funcionário da companhia de água fosse fazer a leitura de consumo, que ela informasse os dados ao invés de deixá-lo entrar.
Enquanto conversavam sobre a postura que ela deveria adotar, a campanhia toca e Maria vai atender. Quando avistou o motoqueiro, pensou logo no que sua chefe havia dito e sem abrir o portão perguntou para ele o motivo da sua presença:
- Oi, vim entregar algumas flores.
- Pra quem?
- D.Valéria.
- Huuuum. O nome do destinatário confere. Quem encaminhou?
- O nome está necesse recibo.
- Huuuuum. São as pessoas que trabalham com minha patroa. Tem que assinar alguma coisa?
- Sim, o recibo. (passou novamente pela grade)
- Ok, agora deixe a encomenda no chão que eu só vou abrir o portão depois que você virar a esquina.
O motoqueiro olhou atônito pra Maria:
- Você tá falando sério?
- Sim. Estou com medo do senhor. (respondeu enquanto devolvia o recibo).
E ele respondeu, enquanto deixava as flores no chão e subia em sua moto:
- Engraçado. Eu também estou com medo de ficar aqui do lado de fora desse bairro cheio de gente esquisita. Fui!
Maria voltou feliz para entregar as flores para Valéria. No meio do caminho, levou um tombo, mas conseguiu salvar as flores. Entrou na casa como se fosse uma heroína, mesmo mancando por causa da queda, e contando a história com tanto orgulho que seu peito estava inflado.
Depois de rir por 15 minutos, imaginando toda a cena, Valéria teve que voltar para o hospital para refazer os pontos, que se soltaram de tanta risada por causa da situação.

Nenhum comentário: