sábado, 11 de abril de 2009

Mais um pouco sobre a chuva

Semana Santa longe de badalações. Como meus planos para estes dias não deram certo, resolvi me recolher no universo bucólico que é a fazenda do meu pai, carinhosamente apelidado de roçaville.
Foi um final de semana tranqüilo, em que eu passava o dia deitada ou me espreguiçando na rede, assistindo TV, lendo livros, batendo papo com meu pai e os caseiros (Lu e Ediberto) ou escrevendo com música nos ouvidos. E sempre acompanhada de meu fiel escudeiro, o Espoleta, que é um exemplar espécime da raça vira-lata. Ele é, sem dúvida, um dos cachorros mais felizes e carinhosos que conheço e adorou ser o dono da casa nesses dias.
O final de semana foi recheado de muita chuva. Na primeira noite, tive que trocar de quarto porque havia uma goteira em cima da minha cama! No dia seguinte, este foi o principal assunto – o “inverno” rigoroso do Ceará.
Em algum momento da conversa, o Ediberto contou desconfiado que tinha visto na TV um dia desses que a água da chuva é a que evapora da terra. Mas também disse que não tinha acreditado muito naquela história. Eu falei pra ele que era desse jeito sim.
A Lu, sua esposa, concordou com ele. Disse que não acreditava. E então perguntei: “de onde vocês acham que vem a água da chuva?” A Lu respondeu: “do céu”. Rebati: “e de onde vem a água que está no céu?” Ela riu e me respondeu com voz de quem estava respondendo a uma pergunta idiota: “D. Isabel, a água vem das nuvens!”
Eu dei uma gargalhada e concordei com ela. E lembrando da época em que dei aula de química para o ensino médio, fui explicar para meus dois “alunos” como era o processo de formação de evaporação e condensação da água:
- Lu, você cozinha, não cozinha?
- Sim!
- Quando você faz arroz, você não coloca uma quantidade de água que “some” depois que o arroz ta pronto? E enquanto isso, se você abre a tampa da panela não sai vapor? O vapor é a água que passou pro estado gasoso. Agora, se você tampar a panela e esperar esfriar antes de comer seu arroz, ao tirar a tampa novamente você não vê um monte de gotinhas de água grudadas nela?
- É a mesma coisa com a água da chuva?
- De uma forma bem simplificada, é assim sim.
- Nossa D. Isabel. A natureza sabe o que faz né?
- Sim, Lu. A natureza é perfeita.

5 comentários:

Vivian disse...

...adoro a inocência dos simples.

adoro

vim agradecer os votos de
feliz páscoa, e que este
domingo seja regado a muita
paz...doce paz no doce dos
chocolates engordativos.

rsssss

bjs, linda!

Fafá Póvoas disse...

kkkkkkkkkkkkk Amiga achei que vc soubesse! Adoro ele, visito o blog dele sempre!

Nem me lembre, se bem que agora não sinto mais aquele desespero! kkkkkkkkkkkkkkkk tu tinha que me ver voltando da anestesia, quando olhei pra mim e me vi sem roupa, entrei em pânico, pergunta pra Dani! A Dani só ria ...e eu desesperada! kkkkkkkkkk Friend tanta saudade de vc!!! aaaafff

Edelson disse...

Olá!!!

Parabéns pela "bela aula"! hehehe!

Fim de semana bão hein?! rede, fazenda, chuva...


Bjus!

Bel Lucyk disse...

Edelson, é bom demais.
Confesso que minha primeira opção nao era essa! Mas, como diria Marta Suplicy: se é inevitável, relaxa e goza! kkkk
Me diverti lá sim! E seu feriadão, como foi? bj

Edelson disse...

O meu foi bom demais. Eu aproveitei para descansar um pouco e participar das celebrações da páscoa! Mas só de ficar 5 dias sem trabalhar é bom demais hehehe!

bjs!