quinta-feira, 28 de maio de 2009

Eu e o Xbox


"Mas é você que ama o passado e que não vê
que o novo sempre vem..."

Essa música foi um dos lemas da minha adolescência. Eu sempre gostei de experimentar, de tentar, de ouvir, de buscar uma nova alternativa. E de quebra fui taxada de única adolescente que virou rebelde naquela casa. Tudo bem. Era muito mais um estigma do que verdade. E no fundo, eu adorava aquela fama de menina má!
Mas lembro de colocar minha mãe para ouvir essa música quando ela torcia o nariz para alguma novidade que eu mostrava pra ela. Bem... o tempo passa.
Na época em que brigava para ter voz ativa na minha casa, adorava jogar videogame. Meu irmão sempre foi fã de jogos. E por causa dele cresci apaixonada por atari - megamania, river raid e keystone kappers (aquele joguinho delicioso de polícia e ladrão). Mas é claro, acompanhamos a evolução dos games e passei dias da minha adolescência jogando Super Mario Bros, Mortal Kombat, Fórmula 1 e assim vai...
Mas o meu amor pelo Atari é algo inexplicável. Passava horas e horas a fio jogando Montezuma, Smurfs e tantos outros. Um dia desses, descobri um emulador que possibilita que você jogue no computador. E de vez em quando, volto no tempo e brinco de criança de novo. Com muito menos desenvoltura, confesso. Nunca mais consegui passar da décima primeira fase de megamania.
Enfim... um dia desses fui para Brasília e vi que meu irmão tinha adquirido um Xbox, que era a nova sensação da casa. Torci o nariz como minha mãe fazia e sentei, incrédula, para ver o Rafa jogar. Alguém já jogou Guitar Hero? É um saco! A única coisa legal é ouvir algumas musiquinhas boas como Kiss, Rolling Stones e Pearl Jam. E só.
Depois de jogar uma vez e passar a tarde vendo um embate empolgado, pedi para que ele trocasse de jogo: Resident Evil. Logo vi que dava pra jogar de dois, então pedi um controle (sim, é wireless - fio é coisa do passado!) e comecei a jogar. Acho que em dez minutos de jogo morri 10 vezes. Claro que falei que o jogo era um saco, pedi megamania (vem alguns jogos do Atari no próprio console) e o meu irmão me olhou com uma cara que logo reconheci: eu tava fazendo a cara que minha mãe fazia, usando os argumentos que minha mãe usava de que o antigo era melhor!
Daí pensei: Isabel, você só tem 31 anos. Tá muito nova ainda pra ser ultrapassada por um simples videogame! Resultado: passei o resto do dia jogando. No final, eu consegui diminuir o meu índice mortal de 10 pra 3 a cada dez minutos. É... acho que estou domando o videogame!

8 comentários:

Dani disse...

Bel, Guitar Hero é perfeito!!!

Bel Lucyk disse...

Dani, não é perfeito. E vc não sabe jogar direito! ahahahahahahhaha

Paula Menna Barreto Hall disse...

kkkk, sensacional, Bel!! eu também era viciada em atari, mas hoje em dia não consigo jogar nada, nada, nada, me irritam os joguinhos mundo afora!! kkkkk

rc disse...

Desafio-a para uma partida de Wii.

Marcelo Faccenda disse...

Atari, é? Nunca ouvi falar, mas parece ser pré-histórico mesmo... Eu sou da época do Nintendo pra cima.. Kkkkkkkkkkk!!!!

Bel Lucyk disse...

- Paula, impressionante, né? A gente vai enferrujando! kkkkkk
- RC, desafio feito: só me diz a hora e o local! tô voltando pra Brasília de vez! uhuuuuuu
- Marcelito, nem vem. Beeeem que você é mais antigo que eu. Atari foi mto tecnologico pra vc. Acho que na sua época só tinha fliperama. E olhe lá! kkkkkk beijos aniversariante do dia! ;)

Madame Mim disse...

Eu era campeã daquele jogo do gelinho...Frostbite.:)

Bel Lucyk disse...

Cris! Esse joguinho eu não conheci. Vou procurar no google pra saber qual é! beijocas