terça-feira, 5 de maio de 2009

Os meninos no espelho


Marina estava trabalhando e depois de uma difícil discussão com seu chefe, já no final do dia, resolveu dar uma volta antes de ir para casa. Foi para a Beira Mar, tomar uma água e coco e ouvir música em seu ipod enquanto olhava as ondas que quebravam logo ali.
Depois de algum tempo, já mais calma, foi caminhando em direção ao carro, que estava estacionado em frente a um prédio espelhado. Enquanto atravessava a rua, viu os filhos de uma amiga da época de faculdade, que estava fazendo seu segundo curso apenas para uma satisfação pessoal. Seu filho mais velho era da idade de Marina. Ela encontrou os dois mais novos, Tales e Tércio.
Conversaram bastante, já não se viam há anos. Os meninos já tinham deixado de ser adolescentes, tinha virado homens. Tales tinha seguido carreira na música, sua grande paixão. Tércio tinha se enveredado para a área de tecnologia da informação. Estavam ali de férias, visitando os avós. A conversa fluia, eles riam lembrando da época em que Marina ia para a casa dos dois fazer trabalhos com sua amiga, estudar estatística... e que sempre parava de estudar para ouvir Tales tocar. O menino era um gênio no piano e na flauta.
Em algum momento da conversa, Marina olhou o reflexo no prédio espelhado. Quando se deu conta, os meninos, pelo espelho, continuavam com a idade, corpo e rosto de quando conviviam, anos atrás. Olhou para os dois e viu que à sua frente estavam dois homens feitos, bonitos, fortes e encaminhados na vida. Olhou de novo para o espelho e eles continuavam com a mesma carinha de criança.
Marina apontou o dedo para o espelho e mostrou aos dois:
- Gente! Olha isso!
- Eita! Marina! Você voltou para o tempo de faculdade? Seu reflexo tem o cabelo que você usava naquela época! Você está igual ao tempo em que ia lá pra casa visitar a gente!
- Não, gente! Eu estou normal. Vocês que continuam com a mesma carinha de quando eu ia pra casa de vocês.
Ficaram ali por alguns minutos, olhando pelo espelho. Marina continuava vendo seu reflexo com a idade atual, mas os meninos continuavam mais novos. E vice-versa. Depois de um tempo, se despediram e seguiram seus caminhos. Combinaram de se encontrar na semana seguinte, em frente ao espelho, que apelidaram de espelho da saudade, para tomar uma água de coco e lembrar dos bons tempos.


5 comentários:

Felipe Campbell disse...

Que bonitinho. Mas só em uma historinha assim mesmo para gente não envelhecer, nem ficar sem nenhum cabelo branco.

Aliás, parabéns atrasado.

Beijocas

PS: Discordo de você.

Bel Lucyk disse...

Bóris,
esse texto nasceu de um sonho que tive um dia desses. Eu mudei algumas coisas, mas era isso que acontecia. Eu via meus amigos como eram há quase 10 anos atrás!
Hei, fico feliz de vc ter voltado por aqui! Saudade de vc, oraaaaa!

Marcelo Faccenda disse...

Combinaram de se encontrar, mas garanto que nunca mais se ligaram...
:oP

Bel Lucyk disse...

Deixa de ser pessimista, Marcelito! =)

Madame Mim disse...

Tenho um problema sério, pq perto dos 3.4 (aiiiiiiii), me sinto com 25.
mas não tá tão ruim, pq todo mundo pensa que ten ho uns 28, ahaha.
bjos