segunda-feira, 8 de junho de 2009

Despedidas de Fortaleza


Considero minha passagem por Fortaleza como um divisor de águas na minha vida. Frente a todas as dificuldades, saudade, solidão, momentos de desespero e tantos outros momentos difíceis que passei aqui, vejo que cresci. E que hoje estou mais forte e mais segura. E gosto muito mais de quem sou hoje do que era há um ano e meio atrás. E principalmente, hoje sei o que quero pra mim tanto no que se refere à vida profissional e principalmente, à minha vida pessoal.
Mas aqui não foi só fonte de dor e angútia. Fui feliz aqui. Muito. Conheci grandes amigos, convivi com pessoas fantásticas, fui à praia sempre, comi caranguejo até virar uma especialista em quebrar as patinhas para chupar a carne, frequentei bastante a beira mar, fosse para uma caminhada, corrida ou para ler um livro num final de tarde ensolarado. Tive almoços de domingo inesquecíveis na casa da minha boadrasta, ou almoços sem motivo algum, apenas para reunir a família toda, na D. Tereza. Lanches na padaria ao cair da tarde com amigos muito queridos, happy hours com minhas irmãs morenas. Pequenas viagens de final de semana para conhecer lugares paradisíacos, com esses mesmos amigos. Finais de semana no roçaville (fazenda do meu pai), onde o celular não pega e e eu consegui esquecer do tempo e praticar o ócio com propriedade, acompanhada do Espoletinha, um vira-lata sem igual. Almoços e conversas intermináveis com minhas amigas do trabalho. Ou mesmo as sessões de croissant de queijo e presunto com coca zero no meio da tarde enquanto atualizavamos mais alguma fofoca.
Também assisti muitos filmes no final do dia, na companhia do meu pai, que sempre vinha acompanhado de alguma invenção na cozinha. Visitas constantes ao Vignoli para comer pizza e tomar vinho. Ou salada, por muita insistência da Lud de Ludmila. Ou sangria, se estivesse acompanhada da Ana. Acompanhar o nascimento de sua filha também foi um momento de grande emoção. Minha irmã e amiga, agora também é mãe.
Resgatei contato com duas das irmãs do meu pai, minhas tias. Ouvi histórias deliciosas de sua infância e de suas vidas. E a tia Detinha passou a ser uma das fantásticas referências que tenho comigo. Conheci pessoas de Brasília e comecei a conviver com outras que com certeza vão ser amigos por muito tempo, ou por toda a vida. Também tive paixonites por aqui. Beijei na boca. Conheci alguns homens interessantes. Frequentei a Picanha do Cowboy na sexta depois do trabalho, o samba de sábado, o bloco de rua com batucada em época de carnaval, o órbita no domingo. Comi o churrasquinho no final da noite, ou dei um pulo no X do João (agora X da Mírian) ou Monte Carlo pra um sanduiche e, quem sabe, mais uma cerveja saideira.
Aqui em Fortaleza comecei a fazer aula de violão, voltei a escrever e criei este blog, fui ao meu primeiro show sozinha sem sentir o menor problema com isso. Assisti a uma apresentação da OSESP e até hoje, quando ouço Bolero de Ravel, me arrepio. Voltei a ler livros com constância. Fiz análise e confesso que se pudesse, levava meu analista na mala. Levaria também o Duda, meu cabeleleiro e amigo. Passei noites divertidas na casa dele enquanto cortava o cabelo ou retocava luzes, tomando cerveja e falando besteira.
As conversas intermináveis, madrugada adentro com meu pai e Tereza, Marcela, Carol e Namaria também vou levar pra sempre na memória. As tardes de domingo entoando o videokê do Cesar, que geralmente já estava embriagado e encarnava um cantor de música sertaneja de quinta categória, vão ser inesquecíveis. O Lucivaldo, meu irmão de quatro patas, e a Malu, minha sobrinha também de quatro patas vão fazer falta. Eles supriram, e muito, a saudade diária que sentia do Zeca.
É isso. Volto para casa cheia de saudade, mas também repleta de amor daqui.
Fortaleza, obrigada por tudo!


17 comentários:

Madame Mim disse...

Que lindo texto, hein.
E patinhas de caranguejo, nhamnham.:)
beijão

Fafá Póvoas disse...

Que lindooo amiga!!!

Paula Menna Barreto Hall disse...

Bel, encontros e despedidas, sabe?!! A vida da gente parece ser cheia deles. Boa sorte na nova etapa! Que Brasília te receba de braços abertos e você seja muito feliz!!! E confesso que fico com uma pontada de inveja, quem sabe um dia eu também embarco de volta pra casa....beijão

Bel Lucyk disse...

- Cris, carangas é tudo! Vou morrer de saudade de comer spe que eu quiser!
- amigaaaaa, nao to me contendo de ansiedade!
- Paula, a vida é assim mesmo! Encontros e despedidas! E da próxima vez que vc for a Brasília a gente vai fazer dar certo nosso chopp, né? Beijos

Vivian disse...

...e a vida da gente não
é feita de encontros e
despedidas, a toda hora?

bj, linda!

Madame Mim disse...

Bel, qdo vc vai?
Qdo eu for pra BSB posso te conhecer agora. :)

RC disse...

O nome do seu pai é Tereza?!?! ;P

Marcelo Faccenda disse...

A expertise em caranguejo eu pude comprovar, embora não tantas vezes quanto eu queria... As outras boas pinceladas de alegria vc vai levar pra sempre com vc, e vão ser uma referência gostosa quando vc estiver pintando seus muros por aqui! Seja bem vinda de volta!!!! Beijos!

Bel Lucyk disse...

- Vivi, é isso aí!Encontros, despedidas, mais encontros e encontros e encontros! rs rs
- Cris, a partir do dia 13 eu volto a ser uma moradora do planalto central!
- RC, eu mudei a ordem pra nao haver mais dúvidas, tá? ;p
- Obrigada, Marcelo! bj

Ludmila disse...

hehehe, fui citada! tô me sentindo importante! sem falar que eu te presentiei com umas amigas bem legais! hehehehehe êita herança boa!!! Querida, estou feliz e triste, na mesma proporção! Que saco né? mas fico feliz por vc.. te adoro! beijo!

Bel Lucyk disse...

Lud de Ludmila! te herdei da Ana e vc me trouxe várias amizades bacanas! Como não citar minha companheira ausente de vignoli! rs rs
Vou sentir saudades! E te espero hoje lá! Beijocas

Anônimo disse...

Querida linda!
Eita Coisa Boa saber que vc tá voltando e que o rio, (ops! BSB) é o mesmo, mas as águas, ah, essas já são outras...e que sempre correm para o mesmo Mar!( pra lembrar Fernando Pessoa, in "o rio da minha aldeia").
Fortaleza pra mim será sempre mágica, porque finalmente eu consegui um pouquinho de você.
Brigaduuuuu por ter me permitido amar você, querida linda! Amei seu texto/declaração/despedida...
"TIA VELHA"

Bel Lucyk disse...

Tia querida! Eu que agradeço por tudo! te amo. bjs

carol.ranier disse...

Você não vai se livrar de mim assim tão fácil! hahahaha (gargalhada Thriller/Michael Jackson)

Bel Lucyk disse...

Carolzinha, minha querida irmã, jamais vou querer me livrar de você. Oraaaaaaaaaaa! Vou sentir TANTA saudade! Te amo. Bj

gleice disse...

Isabel te conhecer foi bom demais...Vc foi uma anjinha que o papai do céu colocou no meu caminho ,vc sabe do que eu tô falando né rsrs...Obrigada por Tuudo!E muuito sucesso pra vc!!!Beijos.

Bel Lucyk disse...

Gleice, a minha parte foi mínima! O resto,foi competência sua!Te desejo também muita sorte no trabalho, viu? bjs e conte comigo