segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

A primeira a gente nunca esquece...

Você se lembra da sua primeira vez?
Eu me lembro bem! Mas confesso que gostaria de esquecer.
Acho que eu era muito nova ainda quando aconteceu. Foi meio traumático. E é verdade quando dizem que dói. Dói mesmo!
Foi inusitado e inesperado. Pra mim, foi a primeira vez. Pra ele, pareceu ser uma coisa muito normal. Ele é do tipo de pessoa que só não faz isso com a mãe, avó e irmãs. De resto, tenho certeza que não deixa escapar nenhuma mulher que tenha atravessado seu caminho. Mas o problema é que ele não perguntou se eu queria. Simplesmente chegou e quando acabou, levantou e foi embora sem olhar para trás. E eu fiquei ali parada, sem entender como é que aquilo tinha acontecido comigo. Tão cedo. Eu não era assim tão madura (tinha uns 25 anos) para lidar com a situação. E confesso que até hoje não me sinto pronta.
Tudo aconteceu muito rápido...Foi num dia de trabalho. Desde aquela época eu já corria para casa para o cochilo depois do almoço. Lembro que estava muito calor em Brasília e não consegui dormir direito. Então, resolvi voltar logo para o trabalho. Quando entrei no carro, ainda no estacionamento do meu prédio, o avistei. Ele estava com um amigo. Vinha patinando, correndo e brincando. Tinha no máximo 9 anos de idade. Nem me viu! Mas eu fiquei ali parada, com o ar condicionado ligado, assistindo a cena, lembrando de um tombo horrível que tinha levado há pouco tempo patinando no parque da cidade. Quando eu comecei a dar ré, ele caiu, bem próximo a mim.
Eu parei o carro, abri o vidro e perguntei:
- Você se machucou?
- Não, foi só um susto mesmo, não se preocupe.
Ele se levantou rapidamente com a energia que crianças tiram não sei de onde e enquanto eu me preparava para continuar a dar ré e subir o vidro do carro ele falou as palavras dantes nunca ouvidas, que até hoje ecoam na minha cabeça:
- Ê tia, assustou, né?

10 comentários:

Fafá Póvoas disse...

karaaaaiiii....

A gente já imagina outra coisa kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ju Russomano disse...

kkkkkkkkkkkkkkk muito bom o texto...
e eu tb me lembro, foi um amigo do meu irmão mais novo, eu tinha uns 20 anos e naquele dia dei carona para os moleques, na hora de descer um deles falou algo do tipo "aí valeum TIA, brigadão"... fiquei em choque por um bom tempo rs rs rs

Stefânia Barreto disse...

kkkkkkk! Ai Bel...por um tempo imaginei outra coisa...kkkkk. Mas olha, eu já sou chamada de Tia desde os 13 anos, que foi quando ganhei meu primeiro sobrinho...aí agora sou Tia deles e dos amigos.
Então, gostei do arroz que você comentou...depois me passa a receita mesmo que eu testo! Já fiquei salivando...
Beijinhos!

Maricota disse...

Vale ler de novo?? rs

Bel Lucyk disse...

- Fafástica, que mente suja! kkk
- Ju, tá vendo? A primeira a gente nunca esquece mesmo! rs rs vc nao ficou puta com o moleque nao? eu quis atropelar o que me chamou de tia! rs rs
- Stefânia, me passa seu email depois que eu te passo a receita. É show e fácil de fazer =). Que bom que vc cresceu sendo chamada de tia por outros motivos. Isso diminui o trauma! kkkkkkkkkkk
- Vale Maricotinha! Vale! =)

nai disse...

Bel,
Copiei seu texto e mandei um email pras 30tonas aqui do trabalho, veja a resposta de uma delas a Carla:
Eu não lembro não.
Entrei em estado de negação desde o momento em que aconteceu.
Mas dizem que aconteceu... tipo, ouvi falar.... mas não existem provas, sabe?
Bom, mas dizem que eu tava passando na rua quando dois moleques irresponsáveis, inconsequentes, sem medo da morte e certamente míopes, praticamente cegos, gritaram “eita, corôa gostosa!”
Passei uns 5 segundos aguardando a tal da corôa gostosa se pronunciar, xingar os moleques ou atirar um tijolinho na cabeça de cada um.... Só o silêncio imperou.
E depois de mais 5... 10.... 15... 30 segundos de silêncio foi que eu entendi, assim muuuuito por alto... Que tinha sido comigo!
Mas assim, quando eu virei eles nem estavam mais lá....
Pode ter sido fruto de uma alucinação...
Eu tinha comido cogumelos no almoço, sabe?
Mas dizem que foi assim.


bjs

Bel Lucyk disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk
Nai, eu adorei a experiência alucinógena da Carla!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Gostei Bel. Bj, Gloss.

Raimundo disse...

Muito bom "Bellzita" !!!
A história ou estória da Carla tb foi ótima...

Bel Lucyk disse...

- Gloss e Rai, valeu pela visita=)
Voltem sempre!
bjs procês