terça-feira, 18 de janeiro de 2011

É do geriatra ou do pediatra?

O ano começou e eu continuei no ritmo das corridas. Confesso que corro devagar, mas quem acompanha esse blog sabe muito bem porque: é um tal de problema no joelho, dor na tíbia e algumas vezes, sinto informar, é caso de preguiça mesmo.
Correr é um prazer e preciso me cuidar direitinho pra não ter risco de  abandonar mais uma vez esse hábito que tanto gosto. Então, quando voltei a praticar, tomei todas as precauções (os detalhes podem ser vistos aqui). O bom é que a minha disciplina está dando certo: corro desde abril, com um único intervalo por causa de uma cirurgia e vejo aos poucos meu tempo melhorando. Porque sim, eu corro devagar, mas aos poucos meu corpo vai criando a resistência necessária, não aeróbica, tenho muito fôlego, mas meus músculos vão se fortalecendo e protegendo meus ossos, pra ser mais objetiva. 
Lembro que a primeira corrida que participei, da qual comento no texto linkado no parágrafo anterior, levei uns 40 minutos pra correr 5 km. E eu sei, é muito lento. De lá pra cá, meu tempo tem caído e hoje já consigo correr a mesma distância numa média de 31 minutos. Mais uma vez, reconheço, continua lento, mas aos poucos vou melhorando minha marca.
E toda essa introdução é pra contar de um diálogo que tive outro dia com um amigo, mais novo que eu. Na verdade, o diálogo aconteceu com duas amigas, na véspera da Corrida de Reis de Brasília, quando eu consegui correr 6 km sem parar. Foi mais ou menos assim:
- E aí, amiga! Vai correr amanhã?
- Correr não, amiga. Nessa semana, descobri que não corro, só caminho.
- Como assim?
- Então... estava falando do meu tempo para completar 6 km com um amigo (que elas sabem que é mais novo) e ele me disse algo do tipo - desculpa, mas isso não é correr. Você tem que melhorar seu tempo, você já corre há tanto tempo... (e o rapaz entendeu meus motivos depois que contei pra ele da minha saga e da minha força de vontade em não desistir).
E minha amiga, que não perde a oportunidade de fazer piada, disse:
- Diga a ele que o seu tempo atual está perfeito de acordo com seu geriatra.
E a outra, rindo, disse:
- Pergunta pra ele qual o tempo indicado pelo pediatra dele.


No dia da corrida recebi mensagem de uma delas - e aí, amiga! olha lá o tempo do geriatra, hein? 
Meu tempo na Corrida de Reis não foi dos melhores, fiz em 40 minutos. Isso porque passei o dia inteiro no clube, esqueci o filtro solar e eu era um verdadeiro pimentão correndo no eixo monumental de Brasília... desconforto total, mas não desisti! 


2 comentários:

Larissa Bohnenberger disse...

Olha, segundo o meu geriatra aqui, o seu tempo tá de corredor olímpico. Rsrsrsrs! Eu até faço 5 quilômetros. Caminhando. Lentamente. Levo em torno de duas horas. E ainda assim é bem capaz de eu desmaiar na porta, com a chave na mão. Rs.

Mas falando sério, você está mais do que certa em ir aos poucos. Pra quê correr? (trocadilho mais infame, este!). Enfim, eu admiro e invejo (ups) essa sua disciplina. É o que mais me falta, na verdade!

Bjos bjos!

P.S. Tem um selinho pra você lá no blog!

Bel Lucyk disse...

ahahahahahah
obrigada pela força, Larissa!
nossos geriatras são demais! =)

beijos e um ótimo final de semana pra vc!