sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

O Zeca, a coleira e a veterinária

Há algumas semanas adquiri uma coleira carrapaticida para o Zeca. Nessa época do ano, Brasília fica infestada desses bichinhos desagradáveis e depois que acordei no meio da noite com meu cachorro desesperado tentando tirar, em vão,  um de sua pata, resolvi tomar uma atitude. 
Quando cheguei ao pet shop, sua veterinária me mostrou uma coleira super mega power, que prevenia carrapato, pulgas e até o transmissor da leishmaniose. Não pensei duas vezes e comprei a coleira pra deixar meu bichinho o mais protegido possível.
O que eu não soube no momento da aquisição é que o cachorro pode ter uma reação alérgica ao produto, já que se trata de veneno. E, bem, acredito que o Zeca teve quase todos os possíveis. Depois de algumas horas, o olho dele começou a lacrimejar, mas inicialmente não fiz o link com seu novo adereço. No dia seguinte, quando cheguei do trabalho, ele coçava a orelha e o pescoço, sem parar. Na hora, tirei a coleira e dei um banho nele, acreditando que ficaria tudo certo.
Mais um dia se passou, a coceira continuou e o levei novamente ao pet shop. Expliquei o que tinha acontecido à veterinária, que aplicou um antialérgico pra resolver a situação. Dessa forma, deixei o Zeca em casa e fui fazer minhas coisas... até que voltei, por volta das 22 horas e encontrei meu cachorro  em pleno surto, completamente desesperado e agitado: o pescoço já estava ferido de tanto coçar e ele se esfregava em tudo o tempo todo. Nesse momento, nem me importei com a hora, peguei o telefone e mandei uma mensagem para a veterinária:
- Oi, desculpa enviar mensagem a essa hora, mas o Zeca tá surtando. Ele tá se coçando muito, o pescoço está ferido, ele não para e tá muito estressado. O que podemos fazer?


Passaram-se alguns longos minutos... e recebo uma resposta mais ou menos assim:


-Nossa, Bel. Que estranho! Eu procurei na internet e existe um remédio, tanto pra cachorro quanto pra gato. De qualquer forma, liga pro veterinário do Fumaça que ele pode te ajudar melhor.

Enquanto eu lia a mensagem, achei estranho ela dizer que procurou na internet. Como assim a veterinária do Zeca fica procurando coisa na internet? E ainda admite? E continuei lendo a mensagem. Quando li a parte do Fumaça, tive uma crise de riso.

Acabei enviando a mensagem pra uma amiga minha, xará da veterinária do Zeca, que tem o gato mais lindo do mundo, o Fumaça. Claro que liguei pra ela na hora, fiquei rindo, e agradeci o empenho em me ajudar a achar uma solução.
Em seguida, liguei pra veterinária (de verdade), que me passou dois remedinhos que resolveram muito bem. Mas essa noite foi longa porque não adianta argumentar com um fox paulistinha que ele deve parar de coçar, porque quanto mais o fizer, mais vai irritar... Como lá em casa não tem cone, passei a noite com ele. E todas as vezes que o Zeca tentava coçar, eu segurava a patinha dele, ficava fazendo cafuné e conversando com ele (eu converso com meu cachorro, tá?)... mas valeu o esforço. Depois de uma noite inteira sem coçar e com os remédios fazendo efeito, no dia seguinte já estava bem melhor!


8 comentários:

Larissa Bohnenberger disse...

Poxa, que confusão! Eu nem sabia que existia essa tal coleira. Como é que ela funciona? Pelo menos o Zeca está melhor, né? Ufa!

Ah, e "não adianta argumentar com um fox paulistinha que ele deve parar de coçar"... com coquer também não adianta argumentar não, viu! Minha cachorra é cheia das perebas e não tem nada que faça ela parar de se coçar. Chega a deixar alguns locais em carne viva. É horrível.

Acho que todo mundo conversa com seus bichinhos. Eu falo tanta asneira pra Coca, às vezes, que ela chega a me olhar com uma cara de quem quer me internar! rsrsrsrsrs!

Bjs!

Bel Lucyk disse...

ahahahaha
a Coca e o Zeca iam se dar bem! A coleira é ótima, doei pra uma pessoa do meu trabalho, também apaixonada por cachorros. Os dela sempre usaram a tal coleira e nunca tiveram problema. Foi azar mesmo!

Vivian disse...

...posso imaginar a noite
do Zeca, sua coceira,
e vc atrapalhando as
coçadinhas do pobre...

rsrs

ainda bem que ele tem
seus cuidados...

bjs, querida!

Bel Lucyk disse...

É, Vivi!
Foi fogo!
=)
Mas deu tudo certo no final!
beijos

Marina disse...

Ai, gente, eu ia ficar doida, sem saber o que fazer. Consigo lidar com crises em gente tranquilamente, mas entro em desespero quando acontece com bichinhos.

Bel Lucyk disse...

Marina, eu sofro demais tbém. Até porque, obviamente, bicho não fala o que tá sentindo... aí a gente nao sabe direito o que fazer, né?
Sorte que deu tudo certo no final e o Zeca tá firme e forte agora =)

Julia disse...

Estimada Bel Lucyk,

Meu nome é Andrei Nascimento, sou Médico Veterinário e Gerente Técnico da Intervet/Schering-Plough, empresa fabricante da coleira que você adquiriu para proteger o Zeca.

Tomei a liberdade de entrar em contato no intuito de tentar explicar o ocorrido e ficar à disposição para eventuais esclarecimentos.

A coleira Scalibor® possui como princípio ativo a deltametrina, um inseticida eficaz e seguro para os cães pertencente à classe dos piretroides.

Porém, como você mesmo vivenciou, alguns cães podem ser alérgicos aos piretroides (a literatura científica cita que em torno de 1% dos cães podem apresentar essa alergia). Nesses casos recomendamos que o proprietário retire a coleira imediatamente do animal e recoloque-a após 5 a 7 dias. Após esse manejo, temos observado que a maioria dos cães passa a não mais apresentar tais reações, mas caso apresente, recomendamos que a coleira seja substituída por outro produto que não pertença a classe dos piretroides.

Boa sorte e vida longa ao Zeca!

Bel Lucyk disse...

Julia e Andrei,

quando escrevi o texto nem pensei em divulgar o nome da marca porque sabia que era um caso atípico e meu objetivo nem era criticar o produto, mas contar a novela que foi e a mensagem trocada, que foi bem engraçada. Vi que meu bichinho sofreu, mas que no final deu tudo certo.
De qualquer forma, fico feliz com o interesse de vocês em expor o motivo do ocorrido e o procedimento a ser seguido. A veterinária do Zeca falou sobre a questão de deixá-lo alguns dias sem a coleira para tentar de novo, pois provavelmente não teria problema. Eu preferi nao arriscar e doei a coleira para o cachorro de uma pessoa do meu trabalho, que já faz uso há anos dos produtos de vocês e nunca apresentou nenhum quadro alérgico.
Enfim, obrigada pelos esclarecimentos e vida longa ao Zeca! =)